Vitória do povo – Democratização da comunicação avança na Argentina

Lei dos Meios aprovada pela Suprema Corte argentina é um exemplo a ser seguido pelo mundo

Nesta terça-feira (29), foram derrubados na Suprema Corte argentina os últimos obstáculos contra uma das leis de regulação dos meios de comunicação mais abrangentes e modernas do mundo. Aprovada em 2009 pelo Congresso, a Lei dos Meios da Argentina acaba com a reserva de mercado dos meios de comunicação, democratiza a informação e estimula a pluralidade dos debates.

A Suprema Corte argentina reconheceu a constitucionalidade de 4 artigos da Lei que estavam sendo contestados pelo Grupo Clarím. Como parte da mídia brasileira, o Clarím se opõe ferozmente à lei que, segundo eles, fere a liberdade de expressão.

Nada mais falso. Ao limitar monopólios, a lei, na verdade, democratiza a informação, dá voz aos que não têm acesso a jornais, revistas e sites de notícias, garante a diversidade, dando  aos cidadãos e cidadãs o direito de conhecer várias opiniões sobre os temas em discussão. Isso é liberdade de expressão. Isso ajuda a pessoa a formar a sua própria opinião. E os juízes argentinos confirmaram esses argumentos. Segundo eles, “é legítima uma lei que fixe limites gerais a priori, porque dessa maneira se favorece a liberdade de expressão ao impedir a concentração de mercado”.

No Brasil, a liberdade de expressão está subordinada aos que detêm o monopólio dos direitos de comercialização dos meios de comunicação. Precisamos, urgentemente, de uma Lei similar à que foi aprovada na Argentina.

E que fique muito claro que defender o fim dos monopólios não é defender a volta da censura, como afirmam os donos dos grandes grupos de comunicação. Lutamos contra a censura e pela redemocratização do Brasil e queremos a consolidação da democracia, jamais o contrário.

Não queremos normatizar o conteúdo da mídia e, sim, o negócio. O que não podemos admitir é que apenas algumas famílias sejam donas, ao mesmo tempo, de jornais impressos, emissoras de rádio e TV, portais de internet, cabos de transmissão. Isso não acontece em quase nenhum país do mundo democrático. Não queremos controlar os instrumentos de construção de opinião que estão com a ala conservadora da sociedade, mas creio que não pode ser só essa ala a ter o direito de emitir e divulgar a sua opinião.

Precisamos ter instrumentos com capacidade de formar o Brasil inteiro; necessitamos democratizar as comunicações para ter o contraditório, que é essencial à construção de posicionamento e de opinião. No Brasil, esse direito à informação e de construir opinião é negado à maioria da população. Não tem cabimento, por exemplo, a CUT reunir mais de 50 mil pessoas em Brasília (marcha de 6 de março) e a mídia simplesmente ignorar este fato como se ele não tivesse ocorrido. Esse fato é de interesse de toda a classe trabalhadora brasileira, que é a maioria da população. Portanto, seria obrigação da mídia divulgar, jamais esconder essa informação da população. 

A vitória dos argentinos tem de ser comemorada por todos os setores progressistas da América Latina e do mundo. Mais que isso, é um exemplo a ser seguido. O governo brasileiro e o Congresso Nacional têm obrigação de regular a mídia no País.

A sociedade civil já deu o primeiro passo construindo o Projeto de Lei de Iniciativa Popular por uma Mídia Democrática (PLIP). As entidades que elaboraram o texto – movimentos sociais, incluindo a CUT e o FNDC (Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação) -, já estão colhendo assinaturas em um abaixo assinado para que o projeto entre na pauta de votação do Congresso.  

Não existirá democracia no Brasil enquanto não houver democratização da  comunicação!

Anúncios
por vagnerfreitascut

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s