O TRABALHADOR NÃO ESTÁ NA AGENDA DE BOLSONARO

Na tarde desta segunda-feira (3) concedi entrevista ao vivo ao canal TV 247, da Brasil 247

“Você, trabalhador e trabalhadora que votou em Bolsonaro, lamentavelmente está fora da agenda Bolsonaro de governo. Inclusive a partir do momento em que você nem o espaço do Ministério do Trabalho tem, como não tem mais ministérios das Mulheres, da Igualdade Racial. São assuntos que não estão no centro da política do Bolsonaro”

https://www.brasil247.com/pt/247/brasil/376726/O-trabalhador-n%C3%A3o-est%C3%A1-na-agenda-de-Bolsonaro-diz-presidente-da-CUT.htm

Anúncios
por vagnerfreitascut

Bolsonaro desconhece necessidade do povo brasileiro, afirma médica

Em entrevista à Agência Internacional de Notícias Prensa Latina publicada nesta quinta-feira (29/11), médica cubana que atuou no Brasil critica o presidente eleito e seu total desconhecimento sobre o programa e as necessidades dos brasileiros
Vi muitas doenças que desapareceram de Cuba há mais de 50 anos; o povo brasileiro está muito precisado; vi pessoas vivendo na rua, pacientes que nunca tiveram um par de sapatos; é incrível como um país com tantos recursos tenha tanta pobreza
A médica Ileana Calderón considerou hoje que os questionamentos do presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, sobre os médicos cubanos evidencian desinteresse pelas necessidades do povo brasileiro e desconhecimento sobre a capacidade dos profissionais de Cuba.
‘É uma total falta de respeito, suas críticas carecem de coerência e são infundadas, assegurou a Prensa Latina a doutora oriunda de Santiago de Cuba, que regressou nesta quinta-feira no décimo grupo de colaboradores que prestavam serviços no Brasil.

Afirmou que as declarações de Bolsonaro se contradizem com os critérios dos milhões de pacientes atendidos pelo pessoal médico cubano, e das autoridades de territórios e municípios que exaltaram o trabalho dos profissionais da maior das Antilhas.

Por esse motivo, e pela intenção de Bolsonaro de atacar à saúde pública cubana respaldo a decisão de meu país de não continuar no programa criado em 2013 pela então presidenta brasileira, Dilma Rouseff, ratificou.

De igual modo, reiterou que o mandatário brasileiro não só condicionou a permanência dos médicos cubanos ao Reválida do título e à contratação individual como única via, mas questionou de maneira depreciativa a sua preparação.

Calderón argumentou que durante todos seus anos como parlamentar o agora presidente eleito nunca propôs um projeto para beneficiar seu povo.

Por outra parte, relembrou as mostras de carinho e amor que recebeu na comunidade e centro de saúde onde trabalhava, ao se conhecer sua partida para Cuba.

‘O que sinto é uma mistura de dor e de felicidade; porque muitas pessoas choraram e me pediram que não me fosse; mas ao mesmo tempo regresso a casa, com minha família, meu esposo e filhos.’, acrescentou.

Em seus três anos de serviço no Brasil enfrentou experiências que nunca tinha experimentado em 30 anos de prática profissional 

‘Vi muitas doenças que desapareceram de Cuba há mais de 50 anos; o povo brasileiro está muito precisado; vi pessoas vivendo na rua, pacientes que nunca tiveram um par de sapatos; é incrível como um país com tantos recursos tenha tanta pobreza’, dimensionou.

Referiu que outras problemáticas como os altos índices de drogados, a proliferação do uso de armas de fogo, inclusive pelos meninos, e o alto índice de analfabetismo no país sul americano foram negativas experiências que contrastam com a realidade de sua terra natal.

Portanto, reflexionou que Bolsonaro não trabalha em função dos brasileiros.

Com a chegada nesta quinta-feira de 167 doutores cubanos provenientes do Brasil já são mais de dois mil os colaboradores que regressaram à ilha, dos oito mil e 300 que participavam no programa Mais Médicos no momento da decisão de Cuba de não continuar participando na iniciativa criada por Rousseff.

por vagnerfreitascut

Lula é a luz dos nossos corações, é o nosso comandante, nosso líder

 Íntegra do vídeo de balanço do dia de hoje no ato em solidariedade e apoio ao ex-presidente Lula, que prestou depoimento à Justiça Federal em mais um processo sem crime nem provas, na esteira da perseguição que levou Lula a prisão, apesar de inocente e o maior e melhor presidente deste País

Apuração e vídeo: Renata Ortega
Foto: Lula Marques
Onde ver o vídeo:
Fanpage: https://www.facebook.com/vagnerfreitascutbr
FB https://www.facebook.com/vagner.freitas.
https://twitter.com/VagnerLulaSilva
https://www.instagram.com/vagnerfreitascut/?hl=pt-br
Portal da CUT e redes da : http://www.cut.org.br

“Estamos aqui acabando atividade extraordinária que tivemos hoje (14/10), em Curitiba. O Lula não devia estar aqui prestando depoimento, nem coisa nenhuma, mas viemos prestar nossa solidariedade ao ele.  

O presidente Lula mais uma vez foi brilhante no depoimento.  A primeira pergunta que ele fez para à juiz substituta do Moro foi:

“Por que estou aqui? Me descreva quais foram os crimes que eu cometi, me fala quais as leis que eu infringi e quais as provas que tem que eu cometi algum equívoco. Eu só quero isso”.

Os Motivos de ele estar preso todos nós sabemos. Lula está preso porque ele ia ganhar a eleição no primeiro turno. Lula está preso porque ele representa o povo brasileiro, porque defendeu os direitos dos trabalhadores,  porque ele é a maior liderança deste País.

Nós é que estamos presos lá não e não ele . E nós só vamos sair daqui o dia em que o Lula sair da cadeia. Para os trabalhadores e trabalhadoras, tão importante quanto defender seu salário, seu emprego, a previdência social que está em risco com esse presidente que foi eleito. É defender Lula livre.

É defender lula livre porque Lula livre é a expressão da nossa força, é a garantia dos nossos direitos. Vamos garantir nossos direitos se Lula estiver livre junto com a gente, para estar capitaneando nosso povo na rua.

É por isso que lula tem que ser solto, não é só porque ele é inocente, mas porque ele é comandante da nossa tropa, ele é luz nos nossos corações; ele consegue movimentar o Brasil inteiro contra o que está sendo feito à classe trabalhadora.

Lula livre é essencial para a CUT, para o MST (hum!!!). Tudo que fizermos daqui para frente terá Lula livre. Faz uma assembleia leva a bandeira Lula livre, faz uma ação em qualquer lugar, Lula Livre. Vamos fazer comitês  Lula livre em todas as fábricas, escolas, comunidades do Brasil.

Lula livre é uma questão de sobrevivência para a classe trabalhadora. Por isso, estamos aqui. Encerramos o dia de hoje vitoriosos. Podemos ter perdido batalhas com a prisão de Lula e a vitória do Bolsonaro, mas não perdemos a guerra. E no final a vitória será da classe trabalhadora”. (Vagner Freitas, transcrição do vídeo, íntegra)

por vagnerfreitascut

Lula Livre, de volta aos braços do povo, de onde nunca deveria ter saído

Passei o dia de hoje, quarta-feira, 14 de novembro de 2018, em Curitiba, entre o prédio da Superintendência da Polícia Federal, onde o ex-presidente Lula está preso sem ter cometido nenhum crime, e por isso sem provas, desde 7 de abril. São mais de 220 dias e um asala de 15 metros quadrados para encarcerar um homem, um líder, um estadista de tamanha estatura que não há igual na história deste País.

Lula foi, e segue sendo, o mais popular e melhor presidente que este País já teve em toda a sua história democrática, e não vou aqui, elencar mais uma vez, todos os feitos dos governos dele. Lula, um homem que tem reconhecimento internacional, mais de 35 títulos de doutor Honoris Causa concedidos por universidades do mundo inteiro. Um homem que, mesmo encarcerado injustamente, liderou as pesquisas de intenção de votos nas eleições de outubro deste ano e, com certeza, conforme as mesmas pesquisas, teria sido eleito no primeiro turno. Por isso Lula foi caluniado, perseguido e preso pelo Juiz Sérgio Moro, hoje, indecentemente, futuro ministro do presidente eleito Jair Bolsonaro.

Estou em Curitiba para dar meu apoio ao Lula, porque o ex-presidente foi levado para depor na Justiça Federal, a 20 minutos do prédio da PF, a pedido de uma juíza substituta de Moro, que exigiu a presença dele. Por que isso, se podia fazer por videoconferência? Porque quer o mesmo holofote e câmeras da mídia sobre ela, assim como Moro. Lula prestou depoimento num processo em que Moro tenta ligar as obras de um sítio no interior de SP a Petrobras, mais uma vez, sem provas, baseado em depoimentos de adesistas à delação premiada.

A Vigília Lula Livre segue firme, apesar das várias tentativas de intimidação.  O bom dia, boa tarde e boa noite Lula, como afirma o ex-presidente, dão ainda mais ânimo e força para que ele, e nós, sigamos lutando pela liberdade, julgamento justo e, enfim, inocentação de Lula. Não desistiremos enquanto Lula não estiver de volta ao lugar de onde nunca devia ter saído: aqui fora, no meio do povo. Lula Livre (Vagner Freitas)

Pra saber mais sobre o dia de hoje em Curitiba, leia no site www.

Fotos Lula Marques e Gibran Mendes

cut.org.br e abaixo a íntegra da cobertura/reportagem publicada no portal nacional do PT sobre esta quarta-feira, 14 de novembro de 2018, que entra para a história como mais um dia vergonhosa do Judiciário Brasileiro e sua perseguição, sem provas ao ex-presidente Lula:

Como explicar que mesmo sem ser o dono de um imóvel e não ter contratado reformas Lula é acusado e julgado em uma ação penal, sem provas e nem mesmo indícios? A resposta é clara: trata-se de um julgamento político. A confusão entre os poderes Executivo e Judiciário fica cada vez mais evidente, quando diz respeito à perseguir o ex-presidente.

Sérgio Moro, o juiz-ministro de Jair Bolsonaro (PSL), segue com sua caçada ao maior líder do Brasil nesta quarta-feira (14). Lula presta depoimento na 13ª Vara Federal de Curitiba, atualmente, uma espécie de escritório do magistrado político. Moro saiu de férias, mas engana-se quem acha que ele não conduz – manipula – o processo sobre um sítio em Atibaia.

O candidato do PT nas Eleições 2018Fernando Haddad, visitou o ex-presidente nesta quarta (14) e revelou que ele está convicto de que se tivesse o direito a um julgamento justo, com juízes imparciais, no dia seguinte estaria na rua, na luta com os trabalhadores. “O presidente Lula está muito sereno e tem a certeza de que se os seus argumentos forem ouvidos, a Justiça será feita e ele será absolvido. Ele está muito preparado e muito agradecido pela solidariedade. Ele não vai parar de lutar”, disse Haddad.

A presidenta nacional do PT, a senadora Gleisi Hoffmann, foi a Curitiba prestar sua solidariedade ao ex-presidente e lembrou que Moro na verdade faz novamente um teatro para condenar Lula.  “Ao tirar férias e não se exonerar do cargo de juiz, ele dirigiu para quem iria ficar o processo, para a juíza substituta sua amiga, que vai fazer o que ele quiser. Porque se ele se exonerasse, como manda a lei, o processo seria distribuído tecnicamente”, aponta a presidenta.

Gleisi questionou a consistência do processo judicial movido contra o ex-presidente. Para a senadora, a ação doMinistério Público Federal (MPF) não deveria nem sequer ter sido aceita pela Justiça.  “Qual foi o crime que o presidente Lula cometeu? Não apresentaram uma prova daquilo que o estão acusando. Lula não é dono do sítio. Lula não pediu nenhuma reforma. Lula não sabia de nenhum pedido. As testemunhas, todas, afirmaram isso e, mais, disseram que as reformas nunca tiveram a ver com nenhum dinheiro da Petrobras”.

“De novo é uma armação e uma mentira sobre Lula.  Como podem processar um homem que não cometeu nenhum ato ilícito? O Direito Penal exige a pessoalidade ao ter cometido algo. Se Lula não pediu reforma, se Lula não sabia da reforma, por que está sendo processado? Está sendo processado pela política”, critica Gleisi. (escrito por Eriko Julio, da Agência PT de Notícias)

por vagnerfreitascut

Dia 22 de novembro: o Brasil mobilizado contra a reforma da Previcência de Temer&Bolsonaro

Dia 22 é dia de luta! Dia 26 também. Todo dia será de luta, se for preciso. Centrais sindicais aprovam agenda unitária de ação contra a reforma da Previdência que a dupla Temer & Bolsonaro tenta aprovar para acabar com seu direito de se aposentar e receber o que contribuiu durante uma vida inteira de trabalho. Vai ficar aí parado? Venha com a gente lutar por seus direitos. 

 

Nesta segunda-feira (12), em São Paulo nós, dirigentes da CUT e das centrais Força Sindical, CTB,  Intersindical, CSB, CSP-Conlutas, NCST, UGT e CGTB, de forma unitária, lançamos a campanha permanente de defesa da previdência social. Também anunciados dos dias 22 e 26 como datas de ações e mobilização nacional contra a reforma que quer acabar com a aposentadoria.

E para dar início à campanha, no próximo dia 22 de novembro, será realizado um dia Nacional de Mobilização, com panfletagens, assembleias nos locais de trabalho e diálogo com a população para esclarecer os riscos de uma nova proposta de reforma da Previdência nos moldes exigidos pelo mercado, como propõe o presidente de extrema direita, que pretende adotar o modelo de capitalização previdenciário.

No dia 26 de novembro, os trabalhadores e trabalhadoras também farão atos em frente o Ministério d o Trabalho e em todas as Superintendências Regionais do Trabalho espalhadas pelo Brasil. O objetivo é protestar contra a proposta do fim do Ministério do Trabalho e denunciar a proposta de reforma da Previdência.

Confirma a íntegra do documento conjunto das centrais sindicais

https://admin.cut.org.br/system/uploads/ck/CAMPANHA%20DEFESA%20PREVIDENCIA.pdf

por vagnerfreitascut

Objetivo do presidente eleito ao extinguir o Ministério do Trabalho é acabar com os direitos dos trabalhadores que a reforma do golpista Temer não conseguiu por fim

Extinção do MT prejudica os trabalhadores, colocar em risco nossos direitos, mas também impacta os empresários, que perderão competitividade aqui e fora do País, em consequência do aumento do trabalho escravo por falta de combate e fiscalização

Trabalhadores do Ministério do Trabalho, que será extinto por Bolsonaro, protestaram nesta quinta (8) contra a medida, que vem sendo critica pelo mundo jurídico

 

Um dos piores aspectos do anúncio de Bolsonaro  (fim do Ministério do Trabalho) é a simbologia, ou seja, se o presidente eleito acha que o Trabalho não merece ter um ministério,  isso quer dizer que ele não tem o menor respeito pelos trabalhadores e trabalhadoras e pelos direitos contidos na CLT. N ão estou inventando nada. Está tudo registrado, foi tudo divulgado durante a campanha eleitoral do então candidato do PSL. O vice do Bolsonaro disse com todas as letras que o 13º salário deveria acabar porque o ano só tem 12 meses, numa absurda mostra do seu total desconhecimento de economia, de Brasil. Durante todo o período eleitoral, eles disseram que iriam acabar com os direitos da calasse trabalhadora, como a aposentadoria por tempo de serviço.

“A primeira perda é a fiscalização, mas que o MT fazia em relação às empresas que atuavam de maneira abusiva, tanto na cidade como no campo. Se a Pasta já tinha dificuldade de fazer essa fiscalização com o status de ministério (precarizado pelo governo ilegítimo do Temer) imagina agora, que o Bolsonaro pode transformar o MT em uma  secretaria ligada não sei onde para fazer não sei o que. Uma secretaria não tem estrutura de ministério então, não tem os mesmos cargos, as mesmas verbas nem  a mesma fundação. Em consequência vai deixar de existir os fiscais, fiscalização, punição, combate e aumentar o trabalho escravo no Brasil. As empresas vão perder muito também, porque a competitividade delas no exterior vai diminuir por conta o iminente aumento do trabalho análogo ao escravo, cuja produção é rejeitada pelos padrões europeus e internacionais de consumo.

por vagnerfreitascut

Extinção do Ministério do Trabalho é mais uma decisão a serviço dos patrões e contra os trabalhadores

Em um País com quase 13 milhões de desempregados e 43% dos trabalhadores e trabalhadoras na informalidade, a única razão para tal medida é a perseguição à classe trabalhadora e às instituições que a representam.

 

A CUT repudia e contesta a extinção do Ministério de Trabalho anunciada na tarde desta quinta-feira (7/10) pelo presidente eleito Jair Bolsonaro.  Se não for mais uma bravata, a medida representa mais um desrespeito à classe trabalhadora e um serviço aos patrões.  Fechar um espaço institucional, em nível de governo, de discussão, balizamento e regulação das relações Capital-Trabalho significa fechar um canal de expressão dos trabalhadores.

Ao fazer esse anúncio em meio a uma coletiva de imprensa genérica e sem apresentar nenhuma informação sobre o destino que dará a toda estrutura técnica sob o guarda-chuva do ministério, Bolsonaro revela seu total desprezo aos trabalhadores e ao mundo do trabalho.

O MT, que em 26 de novembro completa 88 anos, é essencial à classe trabalhadora, ainda mais após a nefasta reforma trabalhista aprovada pelo governo ilegítimo de Michel Temer, que rasgou a CLT (Consolidação das Leis do Trabalho).

Em um País com quase 13 milhões de desempregados e 43% dos trabalhadores e trabalhadoras na informalidade, a única razão para tal medida é a perseguição à classe trabalhadora e às instituições que a representam.

Com a extinção, os patrões ficarão livres para descumprir as leis, porque é o Ministério do Trabalho que fiscaliza, coíbe e pune abusos por parte dos empresários contra trabalhadores na cidade e no campo. Fiscaliza o trabalho escravo, hoje flagelo de 370 mil brasileiros e brasileiras. Resgata trabalhadores dessa “escravidão moderna” – foram 341 resgatados em 2017, queda brutal em relação a 2015 (1.010), porque Temer cortou investimentos.

O Ministério do Trabalho também fiscaliza o registro profissional, o cumprimento de direitos como férias, 13º salário, coíbe a jornada abusiva, faz a gestão do FGTS, do Sine (Sistema Nacional de Emprego), além de ser o responsável pelo salário desemprego.

O fechamento do MT abre o caminho para o próximo governo fechar também a Justiça do Trabalho.

Vagner Freitas, presidente nacional CUT

por vagnerfreitascut

A luta continua e com a CUT e a classe trabalhadora ainda mais forte

A Direção Executiva da CUT, diante do resultado oficial das eleições presidenciais, aprovou a seguinte nota, que deve ser amplamente divulgada para todos os trabalhadores e trabalhadoras da base de cada um dos sindicatos afiliados.

A maioria dos eleitores brasileiros acaba de entregar a presidência da República para alguém que, ao longo de sua carreira política, sempre votou contra os direitos da classe trabalhadora, se opôs às políticas sociais, votou a favor do congelamento dos investimentos em saúde e educação, da entrega do pré-sal e das reservas petrolíferas aos estrangeiros ofendeu e ameaçou militantes de esquerda, as mulheres, os negros e os LGBTs. No entanto, quase a metade da população votou contra o  projeto que levará o Brasil ao retrocesso político e civilizatório.

Ao longo da campanha, os meios de comunicação foram utilizados diuturnamente para atacar a candidatura popular. Os empresários pressionaram seus funcionários com todo tipo de ameaças. O nome de Deus foi usado em vão. As redes sociais foram inundadas de mentiras, numa estratégia articulada e paga por empresas com o objetivo de difamar o PT e seu candidato, Fernando Haddad. O sistema judiciário, além de ter  impedido, arbitrariamente, a candidatura de Lula, manifestou fraqueza e conivência  ao não punir exemplarmente aqueles que ameaçaram abertamente as instituições ou cometeram crime eleitoral. A impunidade contribuiu para o aumento de atos de intimidação e violência contra eleitores do PT e para o crescente clima de ódio que dividiu o país.

Enganam-se aqueles que acharam que destruiriam nossa capacidade de resistência e de luta. O PT saiu mais forte desse processo como a principal força de oposição ao governo de recorte neoliberal e neofascista. A CUT e os movimentos sociais também se fortaleceram.  Lula e Haddad consolidaram-se como as grandes lideranças no campo democrático-popular.  A CUT manterá a classe trabalhadora unida, preparando-a para a luta, nas ruas, nos locais de trabalho, nas fábricas e no campo contra a retirada de direitos e em defesa da democracia.

O governo que tomará posse no dia 1º de janeiro de 2019 vai tentar aprofundar o programa neoliberal que está em curso desde o golpe contra a presidenta Dilma: a reforma da previdência, a retirada de mais direitos, a continuidade das privatizações, o aumento do desemprego, o arrocho salarial, o aumento do custo de vida,  a piora da educação e da saúde, o aumento da violência e da insegurança. Além disso, vai  tentar  perseguir e reprimir o movimento sindical, os movimentos sociais, bem como  os setores democráticos e populares em geral.

Temos um enorme desafio pela frente. É hora de unidade das forças democrático-populares  para resistir. A CUT dará continuidade a sua trajetória de luta e conclama suas bases a continuarem mobilizadas e a  resistirem a qualquer ataque contra os direitos e a democracia.

Viva a classe trabalhadora brasileira!

Lula livre!

Vagner Freitas – Presidente da CUT

por vagnerfreitascut

Pesquisa Vox que aponta empate entre Haddad e Bolsonaro foi feita neste sábado (27), por isso está muito mais próxima de expressar o resultado real

Pesquisas Ibope e Datafolha ouviram os eleitores nesta sexta e neste sábado e os percentuais de intenção de votos – a média dos dois dias – não refletem o resultado da mobilização feita ontem no Brasil inteiro

 

As pesquisas dos três principais institutos brasileiros – Vox Populi, Datafolha  e Ibope -, divulgadas neste sábado (27), com diferenças entre as intenções de voto nos candidatos Fernando Haddad (PT) e Jair Bolsonaro (PSL), deixaram os eleitores confusos. Mas, a explicação é simples: os dias em que os institutos foram a campo.

O diretor do Instituto Vox Populi, Marcos Coimbra, explica que a grande mobilização de artistas, da militância e de todos os brasileiros que foram às ruas para virar votos nesta sexta-feira (26), seja porque temem os riscos à democracia, seja porque aprovam o projeto de governo do petista, explicam essa diferença nas intenções de votos entre as três pesquisas.
Segundo ele, a  diferença de percentuais entre as pesquisas divulgadas hoje é fundamentalmente por causa do período de campo. O campo da Vox foi neste sábado, os do Datafolha  e Ibope foram nesta sexta e neste sábado. Portanto, o resultado é a média entre os dois dias. E a média não refletiu a enorme virada provocada pela grande mobilização feita nas ruas de todo o país ontem.
“Até ontem, os indecisos permaneciam indecisos. E comprovamos isso fazendo 1.200 entrevistas. Hoje, fizemos 2000 entrevistas mostrando que as coisas haviam se movimentado, que uma parcela dos indecisos estava se decidindo. E decidindo por Haddad, claro. O resultado de quem misturou ontem e hoje tinha que ser diferente.”
A Vox mostrou empate entre Bolsonaro e Haddad,  de 43% a
43% nos votos totais e um percentual de 14% dos eleitores indecisos. Destes, 9% disseram que não vão votar em ninguém, vão votar em branco ou anular. Outros 5% disseram que não sabem ou não responderam.
Excluídos os indecisos, os dois candidatos também estão empatados nos votos válidos, 50% para Bolsonaro e 49% para Haddad.
 De acordo com Datafolha, Bolsonaro tem 47% dos votos totais e 55% dos válidos. Já Haddad, tem 39% dos totais e 45% dos válidos.
O Ibope mostrou Bolsonaro com 47% dos votos totais e 54% dos válidos, contra 41% dos totais e 46% dos válidos para Haddad.

 

Publicado originalmente no portal da CUT Nacional

por vagnerfreitascut

Parabéns presidente Lula. Eles pensam que calaram Lula, mas o seu silêncio ensurdecedor chega a militância petista e CUTista com a força de um canhão de palavras

 Bom dia, presidente Lula

Fiquei pensando no que escrever neste dia tão importante para todos nós, véspera da eleição mais importante de nossas vidas, e o dia do seu aniversário, dia em que nasceu um nordestino humilde que virou um gigante político, intelectual e um dos maiores influenciadores de gerações e gerações que estão aí, nas ruas, batalhando por mudanças, apesar de tudo e de todos. E esse nordestino, que virou o primeiro presidente da República trabalhador, orgulhoso de ser operário, só com a determinação e compromisso com os mais pobres e com a classe trabalhadora, tomou decisões políticas e implementou projetos que foram uma verdadeira revolução silenciosa, econômica e social, no país.

E só o que me vem à cabeça além de te desejar, de coração, muita saúde, muita força, perseverança e coragem, muitos anos de vida, como a gente sempre faz nessas ocasiões, foi te contar a revolução, também silenciosa, que o senhor, mesmo preso político está contribuindo para fazer.

. Todos lembram, dos seus ensinamentos, de seus discursos, das vezes em que disse que somos milhões de Lulas, de que eles podem arrancar uma rosa, mas não podem deter a primavera.

E sabe o que isso provocou? Vou te contar. Estão todos nas ruas, com plaquinhas e cartazes pedindo para os indecisos pararem para conversar, oferecendo um pedaço de bolo e um copo de café em troca de um dedo de prosa.

Ocupamos as ruas como em eleições históricas como a de 1989, lembra?

E em cada militante, em cada cidadão ou cidadã com coragem para usar um bóton, apesar das ameaças dos adversários, consigo ver um Lula, firme, determinado, um lutador em defesa da democracia, dos direitos, do povo. E a onda vira voto, penso eu, é a maior homenagem que poderíamos te oferecer no dia do teu aniversário.

Parabéns, querido presidente!

por vagnerfreitascut